Fonte: G1 RN

No Rio Grande do Norte a taxa de desocupação foi de 12,5% no trimestre de abril a junho de 2019. É o que aponta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) divulgada pelo IBGE. A taxa de desocupação, percentual de pessoas desocupadas em relação às pessoas na força de trabalho, apresentou estabilidade frente ao trimestre anterior (janeiro a março de 2019), assim como em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (abril a junho de 2018).

A diferença da taxa de desocupação relativa ao trimestre anterior foi de -1,3%, uma variação pequena que aponta para estabilidade da taxa. Em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, apresentou diferença de -0,6%.

Em números absolutos, a PNAD Contínua estima que havia 191 mil desocupados no último trimestre. Ou seja, 191 mil pessoas estavam sem trabalho na semana de referência e tomaram alguma medida para conseguir emprego no período de 30 dias, como entregar currículo, atender a entrevistas de emprego, inscrever-se em concurso, entre outras atitudes. Essas pessoas estavam disponíveis para assumir o posto de trabalho naquela semana caso o tivessem encontrado, porém não obtiveram êxito.

Nível de ocupação

O nível de ocupação, percentual de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade de trabalhar (aquelas com 14 anos ou mais na data de referência), foi de 46,9%. Isto significa que, do total de 2841 mil pessoas em idade de trabalhar, 1331 mil estavam ocupadas. Houve estabilidade tanto frente ao trimestre anterior, 46,1%, assim como em relação ao mesmo trimestre de 2018, 46,4%.

Pessoas ocupadas por posição na ocupação

No trimestre de abril a junho de 2019 havia 1331 mil pessoas ocupadas no Rio Grande do Norte.

Desse total, estima-se que 52 mil eram empregadores. Dentre eles 37 mil estavam registrados no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. Os demais 15 mil atuavam sem cadastro. É classificada como empregadora a pessoa que trabalhava explorando seu próprio negócio ou empresa, com ou sem sócio, tendo pelo menos um empregado.

No último trimestre, 378 mil declararam-se trabalhadores por conta própria. 46 mil estavam cadastrados no CNPJ e 332 mil atuavam sem cadastro. Trabalhador por conta própria é aquele que explora seu próprio negócio ou empresa sem empregados.

Os empregados do setor privado (exceto trabalhadores domésticos) eram 561 mil. Destes, 360 mil tinham carteira de trabalho assinada. 201 mil atuavam sem carteira. Os trabalhadores domésticos, especificamente, somavam 81 mil. 15 mil tinham carteira de trabalho assinada. 66 mil prestavam serviço doméstico sem carteira.

Os empregados no setor público, por sua vez, eram 225 mil no período de abril a junho de 2019.