Durante a Copa do Mundo deste ano, mais precisamente em junho, o youtuber Julio Cocielo fez um comentário ofensivo ao jogador Kylian Mbappé, da França, repercutindo e gerando comentários negativos. Agora, ele foi condenado pela promotoria de Direitos Humanos a pagar R$ 7 milhões por danos coletivos.

No tweet, ele disse que o jogador “conseguiria fazer uns arrastão top na praia”, e logo depois começou a receber uma enxurrada de acusações de racismo. Também foram encontrados diversos tweets antigos do youtuber com conteúdos racistas, o que reforçou ainda mais o comentário.

A ação movida pelos promotores Eduardo Valério e Bruno Orsini SImonetti pede a quebra de sigilo bancário de Cocielo e a condenação pelo crime de racismo. O trecho da ação abaixo explica o motivo:

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“Trata-se de um jogador negro, francês de ascendência camaronesa, de compleição física robusta e que mostrou, nos jogos da seleção francesa na Copa da Rússia, impressionantes velocidade e explosão, daí advindo, em notória manifestação de racismo, a sua associação com os assaltantes (negros, na ótica do autor) que praticam crimes de roubo nas praias brasileiras, sobretudo fluminenses, sempre sob contínua e desabalada corrida”, diz a ação.

Estão anexados ao documento outros comentários racistas feitos no Twitter pelo youtuber entre os anos de 2010 e 2018. A ação ainda relata que mais de 50 mil tweets antigos foram apagados por ele, caindo de mais de 81 mil publicações para 32 mil no dia seguinte.

Consequências

Quando tudo aconteceu, Julio Cocielo chegou a perder seus patrocínios com marcas grandes, como Adidas, Itaú, McDonald’s e Submarino. Em defesa, o youtuber fez um tweet tentando explicar que o comentário não passava de uma brincadeira e que aprendeu a lição. Depois, ele publicou um vídeo falando a mesma coisa em seu canal no YouTube.

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

Até o momento, Júlio Cocielo ainda não se manifestou sobre a condenação.

Fonte: UOL