Que Beyoncé é quase uma deusa pop sem limites nós já sabíamos né? Após o supershow no festival Coachella, a cantora atingiu um novo patamar e tem até catedral celebrando missa em sua homenagem. Apesar dela ainda não ter ganho uma religião, temos um grupo de teologia progressista que quer incluir a cultura pop na igreja para abordar temas sociais e filantrópicos de uma maneira mais dinâmica.

Os paroquianos da Grace Cathedral, em São Francisco, resolveram colocar os ideais em prática na última quarta-feira (25), discutindo a luta das mulheres e da comunidade negra a partir das músicas do extinto grupo Destiny’s Child e dos projetos musicais e filantrópicos abraçados pela Bey.

Além do coral entoando hits mundialmente famosos, ainda teve sermão realizado pela ativista feminista Yolanda Norton, que ressaltou a todos que às vezes “você tem que cantar a sua música de seu jeito”, enfatizando que, apesar de Beyoncé ter participado da composição de suas músicas, no Coachella, ela apresentou com uma banda marcial negra, fazendo isso da sua forma.

Confira a declaração do reverendo Jude Harmon, responsável pela catedral, sobre o evento:

“Neste ano com tanta conversa sobre o papel das mulheres e das comunidades negras, sentimos a necessidade de erguer as vozes que a igreja tradicionalmente suprimiu e abrimos uma janela para as vidas dos marginalizados e esquecidos. A beleza da música de Beyoncé é que ela explora esses temas em um idioma que é acessível a todos e podemos usá-la como uma conversa inicial. Isso é o que foi projetado para ser. Eu sei que há pessoas que dirão que usar Beyoncé é apenas uma maneira barata de tentar levar as pessoas à igreja, mas Jesus usou imagens muito provocativas nas histórias que contava para incitar as pessoas a fazer perguntas difíceis sobre suas próprias suposições religiosas. Ele regularmente provocou. Estamos seguindo o caminho de Jesus”

E agora confira um trechinho de “Survivor” e “Listen“, músicas que rolaram na na chamada Beyoncé Mass:

Fonte: PopLine