Com o atraso do envio por parte do Ministério da Educação (MEC) da lista com os nomes dos alunos aptos à segunda chamada, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu a planilha nesta segunda-feira (10) e informou que pretende fazer a matrícula dos alunos convocados na segunda chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) no próximo sábado (15). A planilha com o nome dos alunos deveria ter sido enviada na última quinta-feira (06).

Segundo informações do  professor Josemar de Oliveira, diretor de Administração e Controle Acadêmico da Pró-Reitoria de Graduação da UFRN (Prograd), com a lista em mãos, a instituição ainda leva dois dias para indexar os dados em um sistema interno. Só a partir daí que é possível disponibiliazar a lista dos aprovados para o público.

“Essa lista, uma vez com ela em mãos, precisamos de dois dias para processar, porque ela vem como um arquivo. Esse arquivo é compatibilizado, importado para o nosso banco de dados e é feita a geração da convocação. Uma vez feita, ela passa por duas conferências, uma no sistema e uma manual”, explica à TRIBUNA DO NORTE.

A lista estava em atraso por parte do Governo Federal. A UFRN chegou a receber a planilha na última quinta-feira (06), mas foi notificado momentos depois de que o documento não era válido.

Ao todo, no Sisu 2020, a UFRN ofertou 6.933 vagas nos 107 cursos de graduação, tendo 2.012 vagas a serem preenchidas. Além disso, a a lista de espera enviada pelo MEC na tarde desta segunda-feira  dispõe de 9.233 candidatos. Segundo o edital disponibilizado, a lista de reserva é feita pelo número de vagas restantes multiplicado por cinco.

A lista de convocação da segunda chamada do Sisu é fundamental para que as instituições possam alocar os estudantes em vagas que não foram ocupadas na primeira chamada. Vale salientar que, apesar do atraso, a escolha das duas opções de curso assinaladas durante o Sisu continuam valendo.

As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) valem para ingresso nos dois semestres da UFRN.

UERN avaliará 732 cotistas
Candidatos que foram aprovados no Sisu e utilizaram do sistema de cotas raciais serão avaliados antes de serem matriculados pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern). Ao todo, 732 candidatos, de um universo de 2.430 vagas, serão apreciados por uma comissão da instituição, que vão concluir se eles se adequam nas cotas étnico-raciais.

De acordo com o professor Wendson Dantas, pró-reitor de Ensino de Graduação da Uern, embora os candidatos tenham se autodeclarado negro, pardo ou indígena, a ideia é efetuar essa comprovação de forma “preventiva”.

“Esses candidatos efetuaram um cadastro institucional, que é um vínculo provisório com a Uern. Eles serão convocados por meio de edital a comparecer para uma banca de comissão, que vai averiguar se a autodeclaração tem validade. Os candidatos pretos e pardos vão se dar se dar em função das características fenotipas, como cor da pele, cabelo, nariz, enfim, características que justifiquem que ele é negro”, explica à TN.

Os candidatos serão filmados em vídeo em frente a uma comissão de cinco membros da Uern. A ideia é que esse processo comece no mês de março, uma vez que as matrículas estão previstas para o dia 1º de abril. Caso o grupo não considere que o candidato não tem aquele fenótipo, isto é, as características específicas daquela raça, ele perderá a vaga. No caso dos indígenas, essa situação será averiguada de forma diferente.

“Os indígenas, como o processo é diferente, eles vão precisar trazer uma declaração assinada por três lideranças indígenas assinadas pela Funai. Todas as instruções vão estar num edital”, conta.

Esta é a primeira vez que o sistema de cotas étnico-raciais na Uern, após a Lei 10.480/2019, sancionada pela Governadora Fátima Bezerra em 31 de janeiro de 2019.

O sistema chegou a ser alvo de críticas nas redes sociais, quando uma menina, que se declarou parda, mas era vista como branca por outras pessoas. Neste caso específico, o pró-reitor explicou que ela ainda vai passar pelo processo de heteroidentificação.

Diferentemente da Uern, a UFRN ainda não conta com um procedimento como esse para comprovar, antes das matrículas, se os candidatos apresentam as características da raça que se autodeclaram. Isso acontece, por exemplo, no caso dos alunos deficientes, que passam por uma comissão com médicos, pedagogos e assistentes sociais. E 2020, foram 85 convocados na primeira chamada, com 35 presentes no cadastramento e outros 3 com pareceres negado ou inconclusivo por parte da banca de validação.

Segundo o professor Josemar de Oliveira, diretor de Administração e Controle Acadêmico da Pró-Reitoria de Graduação da UFRN (Prograd), uma ideia como essa está em estudo junto a instituição, mas ainda sem prazo para ser posta em prática. Atualmente, a contestação se dá por meio de denúncias e avaliações por parte da UFRN.

Números
 
Vagas UFRN
Natal e Macaíba:  4.415

Santa Cruz:  97

Caicó e Currais Novos:  410

Total:  6.933

4.922 foram ocupadas na 1ª chamada

2.012 vagas estão disponíveis

Vagas Uern
Assu:  210

Caicó: 96

Mossoró: 1.438

Natal: 246

Patu: 150

Pau dos Ferros: 380

Total: 2.430

Cotistas: 732

 
Fonte: Ícaro Carvalho, Tribuna do Norte